O Caminho do Peregrino em Nejmedin Kubra

Home Ditados O Caminho do Peregrino em Nejmedin Kubra

Fragmentos dos cap. 1-3 do livro “Fawatih al-jamal wa-fawatih al-jalal” / Manifestações da Beleza e Aromas da Majestade

Deverás saber que Allah é o objeto de qualquer aspiração, e que o aspirante é uma luz que provém Dele. Cada ser humano tem um Espírito que procede Dele. Mas sem dúvida, as pessoas permanecem na cegueira, salvo aquelas que retiram o véu, que não é algo exterior, pois está nelas mesmas. Se não vês nada, é uma carência que somente procede de ti.
O caminho requer austeridade… Mas o esforço que deves realizar depende fundamentalmente do caminho que segue.
O primeiro requer diminuir o alimento de uma maneira progressiva [‘jejum’ das coisas do mundo].
O segundo implica em um tutor, um mestre.
O terceiro é o de Junaid, que se baseia em oito princípios:
– manter a ablução (purificação), guardar o jejum, permanecer em silêncio, persistir no retiro espiritual, perseverar na invocação de Allah (dhikr), cultivar o vínculo interior com o mestre, afastar os pensamentos, abandonar qualquer ato de oposição a Allah.

Se o viajante sente um peso enorme, o peito oprimido, a invocação resulta cansativa, seu coração não está alegre… Quando o viajante se sente leve, calmo, o peito dilatado, o coração alegre e sereno, percebe o fogo ascendente e puro – são as chamas da invocação que se manifestam…
Nosso caminho é o caminho da Alquimia.
Se os oceanos são puros e contêm estrelas ou luzes parecidas as chamas, deverás saber que se trata dos oceanos do conhecimento místico.
Se chover é água que provêm da presença da compaixão para derramar vida sobre a terra dos corações inertes.

(tradução de Jamal al-Murb)

Sentenças de Bistami

  (Trechos de 'Uma luz que cativa', com ênfase em "fana" - a extinção do eu)   * Allah me inspirou o completo esquecimento de meu eu. * Tenho amado a Allah e rejeitado meu eu. * Abandonei o eu e fui sozinho até Allah. * Aquele em quem o eu triunfa, estará entre os...

Notas de Louis Massignon sobre Hallaj

Passagens do texto “Vida de Hallaj”, publicado em 1962 na reedição da obra ”La Pasión de Husain ibn Mansur Hallaj”, de 1922 Hallaj foi condenado a morte em Bagdá no ano 922. E permaneceu como um herói lendário. A ampla difusão dos grandes poemas persas formam...

Fragmentos de Farid Attar

Trechos do cap. 13 da obra “O Livro dos segredos” Na busca toda uma vida passou Neste mar naveguei muito... Todos já foram guias ou seguidores Ninguém conhece o segredo divino Cativos somos... Conhece a Ciência dos Mistérios aquele que conhece os Mistérios E por essa...

Al-Wird

صلاة شجرة الاكوان المسماة بالوظيفة للشيخ محمد المدني القصيبي المديوني Em árabe clássico, o termo “wird” significa a chegada à água para beber. Ele designa também o bebedor e a quantidade de água que sacia a sede do peregrino. Por extensão semântica, esse termo...

Máximas do Sheikh Muhammad al-Madani

Hikam [máximas] é o plural irregular de hikma [[O termo hikma é corânico: Corão: II, v. 123/129, v.146, v.151; III, v.75/81 ; IV, v. 54/57 ; LIV, v.5 ; XLII, v. 63 ; XXXIII, v. 34 ; XXXVIII, v. 19, v. 20, etc. No pensamento árabe especulativo dos séculos IV a X, hikma...

Notas de “O Livro dos Segredos” de Farid Attar

O primeiro Um, que não tem início. O Um último, que não tem fim. Único aparente – oculto em sua manifestação. Único oculto – mais manifesto que a luz. Jamais sua Majestade teve princípio. Seu reino carece de limites e de fim. Um Deus que se conhece a Si mesmo. Ninguém...